Os recentes casos de invasão de propriedades rurais em municípios rondonienses foram citados pelo governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, na quarta-feira (28), no Ministério da Economia, em Brasília, durante reunião articulada pelo secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia com a presença de representantes de diversos órgãos que atuam na segurança pública, com o objetivo de acabar com estes crimes na região Norte.

O governador abriu a reunião pontuando casos que têm ocorrido no Estado e que, segundo ele, têm assombrado famílias que tiram seu sustento da produção rural. “Estamos trabalhando há meses na resolução destes casos que vem acontecendo com uma violência absurda, envolvendo tortura”, explicou. O governador relembrou a morte de militares na fazenda Mutum-Paraná. Após o crime fizeram uma emboscada a policiais que patrulhavam a área. Esta ação resultou na morte de um policial e vários agentes foram feridos.

Após a apresentação do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Alexandre Luís de Freitas Almeida, sobre as atividades destes grupos invasores, Nabhan Garcia reiterou o compromisso firmado com o governo de Rondônia para articular entes federais na proteção do cidadão do Estado. “Estas fotos e vídeos mostram a ação de grupos treinados. Estes não são movimentos sociais legítimos que pedem terras para cultivar”, acrescentou. Ele reforçou que o modo de agir destas pessoas e seu armamento são um risco real ao Brasil. “Estou vendo como se fosse um braço das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em nosso país, afirmou.

A deputada federal Bia Kicis afirmou que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados está aberta ao apoio que o governador necessitar dentro da competência que lhe cabe. Ela recebeu a recomendação de criar audiências públicas sobre o tema, para que a população tome ciência do que realmente acontece nas regiões de fronteira do Brasil.

Ao final da reunião ficou encaminhado que seria solicitada a presença da Força Nacional na região, para retirada dos criminosos com um plano estruturado entre as policias e forças de segurança para garantir a reintegração das terras pelos proprietários. Também ficou agendada reunião com o presidente da República, Jair Bolsonaro, para solicitar que seja implementada a ação em Rondônia.

Participaram da reunião representantes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Ministérios da Justiça, Defesa e do Meio Ambiente, Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Procuradoria-Geral da República, secretário-chefe da Casa Militar, coronel PM Valdemir Carlos de Góes, o superintendente de Integração do Estado de Rondônia em Brasília (Sibra), Augusto Leonel, o secretário de Segurança Pública, coronel Hélio Pachá, entre outros representantes da segurança pública. (Alex Nunes/ Secom – Governo de Rondônia)